fevereiro 01, 2006

Ah pois é, Kohlberg!... (clicka-me se tiveres moral para isso!)

Lembro-me, quando andava na Faculdade (agora também ando, mas isso é outra história...), do paradoxo que eram as aulas de Psicologia do Desenvolvimento. Se é um facto que a matéria era realmente interessante, não é menos verdade que o Professor conseguia personalizar - já na altura!, - um cruzamento perfeito entre o Emplastro, o Jorge Sampaio quando discursa e D. Duarte Pio de Bragança. Ou seja, um personagem catita, mas secante.
E foi este personagem que, entre bocejos e desenhos fálicos nas mesas, me introduziu (eh lá!) no fantástico mundo do Desenvolvimento Moral.

"Mas as pessoas não nascem todas já a amar o próximo e a fazer o bem, mesmo que tenham que se sacrificar?", perguntam vocês. Não, só os totós é que fazem isso.
Existiu um fulano chamado Kohlberg que propôs uma sequência de desenvolvimento moral, universal e constituída por 6 estádios. Por exemplo, toda a gente sabe que, antes de partilharmos o nosso carrinho ou boneca de brincar com um(a) amigo(a) ou irmão(ã), vamos espancá-lo(a) violentamente cada vez que ele(a) se aproximar do NOSSO brinquedo. Mais tarde, começamos a fazer coisas para agradar aos outros, mas muitas das vezes (ou sempre, pronto) com ela fisgada, como abrir a porta às raparigas e deixá-las passar, com o nobre intuito de apreciar a beleza e perfeição das formas femininas e, quem sabe, acrescentar mais um número ao telemóvel.
E por aí acima, até nos conformarmos com as normas sociais, aprendermos a respeitar a lei e nos preocuparmos genuinamente com os outros, vivendo de acordo com princípios éticos lindos e universais. O problema é que, num mundo tão grande, milhões de pessoas, e às vezes famílias e países inteiros, encalham num dos níveis mais baixos (o Alberto João Jardim é um bom exemplo) e lá se vão a paz e o amor.
Por outro lado, para se subir na "escada", é indispensável haver interacção social, como nas conversas de café ou nas lutas de gangs, pois é aí que surgem dilemas morais que nos sussurram ao ouvido "Pá, olha que o nível 1 já não é para ti, vê lá se passas para o nível 2 antes que o Mário Soares se candidate outra vez a Presidente da República!".
Ora, todos nós já nos deparámos várias vezes com dilemas morais. Aliás, o dia-a-dia é um grande dilema moral divido em pequenas peças de puzzle que constituem vários dilemazinhos lixados e irritantes: Como um bife frito com batatas fritas e 10.000.000.000 de calorias, ou um peixe grelhado?; Estudo e aproveito as propinas de 600 euros que já paguei, vendendo o corpo no P. Eduardo Sétimo, ou vou sair e embebedo-me brutalmente, matando de uma só vez 1/4 das minhas células cinzentas?; Acelero e mato a velha na passadeira, ou travo e perco o barco?
Certamente nem sempre fazemos a melhor opção - eu, por exemplo, como muitos bifes e não tenho estudado muito (apesar de hoje ter comido peixe ao almoço e ao jantar). Vamos ver a seguinte situação:
- Imaginem que são o Tozé (vá, façam lá um esforço, as meninas também), um rapaz pouco abonado em termos físicos e intelectuais que, no auge dos seus 31 anos, nunca conseguiu ter qualquer tipo de contacto íntimo com uma mulher. Nem a mãe lhe dá beijos de boa noite;
- Certa noite, o Tozé, num acto de heroísmo e empurrado pela força de 4 Sagres Bohemia, salva a Isabel, uma gaja muita boa, de ser assaltada por um perigoso rufia de 11 anos;
- A Isabel, no nível 4 ou 5 de Kohlberg, está disposta a agradecer ao Tozé a sua coragem, propondo-lhe prazer físico intenso. O problema é que, como é casada, limita esta recompensa a sexo oral, com a condição do Tozé não lhe poder tocar;
- O Tozé nem quer acreditar no que lhe está a acontecer, e só consegue balbuciar "dahh.. uuhhg..." enquanto desaperta freneticamente as calças;
- Eis quando a Isabel lhe chama a atenção para o facto de ter herpes labial em estado avançadíssimo, com pus a escorrer da beiça, e lhe explica que o mais certo é pegar-lhe herpes genital, com direito a borbulhas, pus, crostas e uma comichão do caraças no dito cujo para o resto da vida dele.

O que deve fazer o Tozé?

1. Aceitar humildemente a oferta da Isabel e sujeitar-se a ficar infectado com herpes, ao mesmo tempo que tem, talvez, a única aventura sexual da sua vida, ou;
2. Recusar a oferta da Isabel, ferindo cobardemente os seus sentimentos mas assegurando que, apesar de virgem, vai conseguir mijar sem dores durante mais umas décadas.

Pois é meus amigos, é através de decisões deste género que todos nós vamos crescendo e subindo degraus no caracol moral. Porque há um Tozé em cada um de nós....

6 comentários:

ida disse...

Ora bem, seu eu fosse o Tozé cagava no herpes e aceitava sem hesitar a oferta generosa da menina Isabel!
O Tozé já tem 31 anos e é virgem, coitado! Vale mais uma boa foda do que morrer sem nunca ter experimentado!
E quem sabe se encontre entretanto uma cura para o herpes!!!

pratitamem disse...

Ó Ida eu tenho 38,e sou virgem, é grave? Tu deves ser Leâo, será?

sandra disse...

Dilema mto interessante, sem dúvida, felizmente nunca me deparei com algum semelhante :-)
Parabéns, também, por essa descrição tão exacta do Prof. de Psic. do Desenvolvimento... lol... é impossível esquecê-lo...

linfoma_a-escrota disse...

dilema interessantíssimo!!!! subscrevo inteiramente, e ainda sobre os post da tourada e do teu sadismo recalcado contra a humanidade, a ti não hesitava em humilhar-te, sozinho com um microfone no centro do campo pequeno ligado a aparelhos de choques eléctricos consoante as brilhantes respostas, medidas extremas para pessoas extremas? "Mas as pessoas não nascem todas já a amar o próximo e a fazer o bem, mesmo que tenham que se sacrificar?", perguntam vocês. Não, só os totós é que fazem isso.
i don't think so...

Anónimo disse...

Pois é Tiago,

Falando em ética e moral, tu encontraste no estádio mais básico e primitivo...

SUA BESTA

Anónimo disse...

Loja online especialista na melhor selecção de lingerie sofisticada, sexy e sensual. Uma invasão de charme, glamour e sedução.
http://www.soparaela.net/